Critérios e princípios adotados em ediçoes digitais: o caso da hiperdição dos panfletos de Eulalio Motta

Patrício Nunes Barreiros
patriciobarreiros@hotmail.com

Comunicación breve
Edición digital


A edição de um texto não é uma atividade mecânica. Por mais que se coloque em prática um conjunto de orientações sistematizadas e postuladas pela crítica textual, os resultados dependem sempre de algumas variáveis que estão relacionadas:

  1. às características do texto que se pretende editar;
  2. às finalidades da edição;
  3. aos princípios que orientam a prática do editor;
  4. ao tipo de edição;
  5. aos critérios adotados;
  6. ao tempo e ao orçamento disponível para o projeto;
  7. e à tecnologia utilizada.

A partir do advento da informática, na segunda metade do século XX, a tecnologia empregada nas edições tornou-se crucial para os filólogos. Atualmente, com as tecnologias digitais, dispõe-se se de diversos mecanismos para editar um texto. Entretanto, faz-se necessário discutir, no âmbito da filologia, quais critérios e princípios devem ser levados em consideração ao empreender uma edição digital, principalmente, quando se tratam de edições de textos que foram escritos, difundidos e lidos dentro dos limites da cultura manuscrita e impressa (Chartier, 2009). Neste trabalho, apresentam-se os princípios e critérios adotados na hiperedição dos panfletos de Eulálio Motta (Barreiros, 2015), com a finalidade de discutir, no âmbito da filologia e das humanidades digitais, como a cultura digital está ampliando os horizontes da crítica textual que construiu uma tradição no âmbito da cultura manuscrita e impressa. Segundo McGann (1997), uma hiperedição é uma hipermídia capaz de incluir no mesmo ambiente as edições convencionais, integradas a diversos tipos de documentos iconográficos, filmográficos, sonoros e textuais, com recursos interativos peculiares aos ambientes digitais. A hiperedição dos panfletos de Eulálio Motta corresponde a uma hipermídia que concilia os princípios da crítica textual e as inovações apresentadas pela tecnologia digital. A edição busca preservar os códigos linguísticos, bibliográficos e contextuais dos textos editados, ao passo que explora a documentação paratextual e protextual por meio da constituição de um dossiê arquivístico disponível para acesso (www.eulaliomotta.com.br).